São sete UPAs em construção simultaneamente. Juntas elas vão oferecer cerca de 30 mil atendimentos mensais. Construção gera 1,7 mil empregos diretos e indiretos


Investimento do GDF nas sete obras é de R$ 35 milhões | Foto: Acácio Pinheiro.

O GDF constrói, em ritmo acelerado, sete novas unidades de pronto atendimento (UPA). O investimento do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF), entidade que administra as UPAs distritais, nas obras é de R$ 35 milhões, com geração de 300 empregos diretos e mais de 1,4 mil indiretos.

“Estamos trabalhando muito forte dentro do governo porque queremos melhorar a saúde e retomar [a economia]”, afirma o governador Ibaneis Rocha. “Temos um pacote de obras muito grande na área da saúde para entregar o máximo possível de melhorias para essa população e dar uma resposta do ponto de vista do atendimento em saúde, concedendo cuidados à população”, afirmou o governador.


Foto: Acácio Pinheiro.

Área essencial, sobre a qual os olhares ficaram ainda mais atentos durante a pandemia, a Saúde tem uma lista grande de execuções. Entre os destaques, estão a construção de novas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e as sete novas unidades de pronto atendimento (UPAs) – essas com previsão de entrega ainda para 2020.

As novas UPAs estão sendo erguidas em Brazlândia, Ceilândia, Gama, Paranoá, Planaltina, Riacho Fundo II e Vicente Pires. Todas têm 1,2 mil metros quadrados – e, quando concluídas, terão capacidade de acolher cerca de 4,5 mil pessoas por mês e chegar à marca de mais de 30 mil atendimentos mensais, consideradas as sete unidades. No total serão mais 42 leitos de observação, 14 de emergência e sete de isolamento disponíveis para a saúde pública do DF. Com atendimento 24h, cada UPA contará com dois a três médicos durante ambos os turnos (diurno e noturno).

As duas unidades com as obras mais avançadas – cerca de 45% de execução – são as de Ceilândia, na Expansão do Setor O, e de Brazlândia, na Vila São José. Em ambas, as instalações elétricas nas lajes e piso já foram feitas e os serviços de alvenaria estão perto da conclusão. Em seguida vem a do Riacho Fundo II, localizada na QN 31, com 40% de execução.

As obras das futuras unidades de Vicente Pires e Planaltina tiveram seus inícios adiados pelo Iges-DF porque aguardavam as respectivas liberações ambientais de construção, tarefa que cabe ao Instituto Brasília Ambiental (Ibram). Devidamente autorizadas, ambas já iniciaram os trabalhos de construção. O Iges-DF garante que as duas obras seguirão o cronograma das outras seis e serão entregues em cerca de oito meses.Licenciamento ambiental, por se tratar de vegetação nativa do Cerrado, abriu caminho para a unidade de Planaltina | Foto: Renato Alves / Agência Brasília

Para o diretor-presidente do Iges-DF, Sérgio Costa, as novas UPAs serão essenciais para aliviar a pressão no sistema de saúde de todas as regiões administrativas atendidas. “Todas as unidades estão sendo construídas em áreas onde há um vazio assistencial. Vamos conseguir potencializar a capacidade de resposta e de atendimento a esses pacientes, aumentando e melhorando a oferta de saúde pública”, afirma.

O instituto também vai levar em conta outro importante fator no momento em que as equipes forem constituídas para atuar nas UPAs: o perfil epidemiológico de cada região administrativa. “As incidências variam de local para local. Com isso, os profissionais serão qualificados e capacitados para todos os tipos atendimentos, mas também terão um olhar mais qualificado para o perfil e demanda de cada região”, ressalta o diretor-presidente do Iges-DF.

Mais atendimento às regiões
Os cerca de 30 mil atendimentos mensais que as sete UPAs acrescentarão quando estiverem concluídas e em funcionamento serão, de acordo com a Secretaria de Saúde (SES), de extrema valia. “Vai reforçar nossa rede de assistência. Essa rede sempre precisa de robustez, e a gente só consegue isso se aumentarmos o número de equipamentos públicos. Por ser uma unidade de estabilização, as UPAs vem para fazer a intermediação entre a atenção primária e a hospitalar”, explica a superintendente da Região de Saúde Oeste da SES (que abrange Ceilândia e Brazlândia), Lucilene Florêncio.


R$ 35 milhõesé o investimento do Iges-DF nas UPAs
O reforço nas unidades de saúde também gera um consequente aumento no número de profissionais que irão atuar na linha de frente e proceder com os atendimentos à população, como avalia a superintendente. “Por causa das equipes multidisciplinares, as UPAs possuem essa capacidade de auxiliar a rede pública como um todo. Os profissionais vão ajudar principalmente na Clínica Médica, que constitui o maior gargalo atualmente”, observa Lucilene.

Para a presidente do Conselho Regional de Saúde de Ceilândia, Andrecinda Rocha, o reforço das UPAs na maior região administrativa do DF será importante. “Não podemos abrir mão de nenhum recurso. Chegar uma UPA para um lugar onde a capacidade de atendimento está sobrecarregada, vai ajudar. É importante para o atendimento intermediário”, ressalta.

Quando devo procurar uma UPA?

As UPAs são o caminho para atendimento de urgência e emergência em clínica médica, casos de pressão e febre alta, fraturas e cortes e exames como raio-x, eletrocardiograma e demais procedimentos laboratoriais. Nesses espaços são ofertados serviços de média e alta complexidade, como se fosse o meio-termo entre as Unidades Básicas de Saúde (UBS) e os hospitais. O que determina a ordem de atendimento nas UPAs é a gravidade do risco, e não a ordem de chegada.


Confira o endereço das novas UPAs:

> Brazlândia: Vila São José, Quadra 37, AE 1, Posto de Saúde

> Paranoá: Paranoá Parque, Quadra Comercial 1, AE 4 EPC

> Gama: Setor de Indústria, QI 7, Área Reservada 2

> Ceilândia: Expansão do Setor O, QNO 21, AE D

> Vicente Pires: Rua 10, Quadra 4D, Chácara 135

> Riacho Fundo II: QN 31, Conjunto 3, Lote 1

> Planaltina: Setor Habitacional Mestre D’Armas, Quadra 23, MD 2 Lote 1



















































































































































Fotos: Acácio Pinheiro.