PL do deputado Delmasso prevê que o governo atue para minimizar os impactos ambientais dos resíduos sólidos, utilizando-os na produção de arquiteturas ecologicamente corretas

Foto: Rogério Lopes.


O projeto de lei que cria a política "Brasília Lixo Zero, Arquitetura Sustentável e Energia Renovável" (PL nº 121/19) foi aprovado em segundo turno e redação final na sessão desta terça-feira (19). De autoria do deputado Delmasso (Republicanos), a proposta estabelece que o Executivo, por meio de suas secretarias, deverá unir esforços para o reaproveitamento do lixo e sua correta destinação. Para virar lei, o texto ainda precisa ser sancionado pelo governador Ibaneis Rocha.

De acordo com o PL, o governo deve atuar para minimizar os impactos ambientais dos resíduos sólidos, utilizando-os na produção de arquiteturas ecologicamente corretas, que reduzam o aquecimento global, dentre outros objetivos.  

O autor da matéria argumenta que o lixo é quase que totalmente jogado fora, desperdiçado, trazendo para o setor público um grande ônus em seu armazenamento e tratamento em lixões. "O lixo necessita ser visto não como lixo, mas sim como um material que pode ser reutilizado, obviamente que após aplicados processos adequados de lavagem, beneficiamento e remodelagem", explica Delmasso.