Caio Mastrodomenico, CEO da Vallus Capital, comenta a necessidade de políticas tributárias que beneficiem o setor


Empreendedores de grandes e pequenos negócios passaram por uma montanha russa nos últimos anos. O financeiro das empresas acabou sendo impactado e a necessidade por empréstimos para compor o fluxo de caixa aumentou. Neste cenário, as fintechs também cresceram e começaram a receber mais investimentos para facilitar a vida dessa porção de brasileiros.

Esse é o caso da Vallus Capital, fintech que atua com a antecipação de recebíveis com o objetivo de ajudar pequenas e médias empresas a ter um fluxo de caixa saudável. Para Caio Mastrodomenico, CEO da empresa, o Brasil está passando por grandes mudanças quando se trata de negócios, mas é necessário muito mais.

O empresário comenta sobre a necessidade de dar visibilidade para os empreendedores através de políticas que possam trazer benefícios para todos os setores. “A falta de estímulo às pequenas indústrias e a complexidade tributária e trabalhista vem penalizando todo o segmento. Por isso é importante que o país volte a ter um ambiente competitivo aos olhos dos investidores”, ele conta.

Nesse cenário, empreendedores se voltam para os grandes bancos, que costumam aplicar taxas elevadas e tornam esses empresários refém de burocracias. No entanto, as fintechs surgiram para tornar o crédito mais acessível através de produtos personalizados e da melhora de resultados. Caio relata que a regulação para produtos financeiros no Brasil é alta, mas o mundo digital vem diminuindo a burocracia e aumentando a segurança nas operações financeiras em geral.

No momento, um dos maiores problemas para o setor de pequenas e médias indústrias são as tributações. “Existe uma complexidade nas tarifas aplicadas sobre os produtos no país, essa é a pedra no sapato do segmento industrial. O mesmo produto pode ter inúmeros tipos de tributação a depender da origem de produção e o destino da sua venda, onerando as companhias”, ressalta o CEO.

Pela demanda de agilidade e simplicidade na obtenção de crédito, a antecipação de recebíveis se torna uma excelente opção. “Atualmente há diversas opções de conseguir crédito, como os empréstimos oferecidos por instituições mais tradicionais. No entanto, a antecipação de notas tem menor impacto financeiro para a empresa, melhorando o fluxo de caixa sem aumentar o endividamento e o desempenho nos resultados”, finaliza.

*Caio Mastrodomenico é CEO da Vallus Capital. Pós-graduado em Mercado financeiro e de capitais e analista econômico e político

Sobre a Vallus Capital

A Fintech de Antecipação de Recebíveis foi criada pelo empresário Caio Mastrodomenico no ano de 2019, com o intuito de auxiliar empresas a manterem uma boa organização financeira de seus negócios, através de uma nova modalidade de crédito, a antecipação de vendas a prazo. Atualmente, a empresa possui um crescimento de 1.300%. Além disso, conta com mais de 100 clientes e antecipa títulos de até R$500.000,00 para pequenas e médias empresas.