Nutricionista recomenda consumo consciente de chocolate

Especialista sugere chocolates com mais concentração de cacau, menos açúcar, gordura e sódio A procura por chocolates aumenta nas vésperas da Páscoa, mas o que fazer para não ‘morrer de vontade’ desse alimento feito com base na amêndoa fermentada e torrada do cacau, sem ingerir excesso de açúcar ou ficar com ‘peso na consciência’? “Se tem vontade, coma o chocolate que gosta, mas evite o exagero. Isso vale para crianças e adultos. Essa é uma época do ano afetiva, cultural, cheia de simbolismo e ficar se punindo por causa de um doce é ruim”, explica Jhonathan Andrade, professor de Nutrição no UniCuritiba, instituição que faz parte da Ânima Educação, uma das maiores instituições de ensino superior privado do país. Contudo, o nutricionista alerta para dar preferência aos chocolates meio amargo e amargo, que têm concentração respectiva de 40% a 55% e de 60% e 85% de cacau e são elaborados com menos açúcar, gordura e sódio. “Quando mais cacau se tem em um chocolate, maior o teor de compostos fenólicos e se tem uma relação benéfica com a saúde”, completa Andrade. Saudáveis e deliciosos Mesmo quem tem algum tipo de intolerância e precisa evitar determinados ingredientes pode saborear a iguaria, pois existem opções de ovos de Páscoa sem lactose, sem glúten, sem açúcar e cheios de sabor. Outra opção para intolerantes, segundo o nutricionista do UniCuritiba, é a alfarroba - uma espécie de vagem típica do Mediterrâneo que tem ganhado espaço na culinária por ser uma substituta do cacau na preparação de receitas. De coloração marrom escura e sabor adocicado, é um produto comumente usado na versão em pó e que concentra nutrientes importantes para o organismo. “A alfarroba dispensa o uso do açúcar na fabricação de seus produtos. É uma ótima alternativa ao chocolate, já que tem sabor similar ao do cacau. A alfarroba é isenta de lactose, de proteína do leite e pode ser consumida também por quem tem alergia ao leite”, ressalta o professor Jhonathan Andrade. Na medida certa Quando se come chocolate com parcimônia, não há motivo para ficar com crise na consciência. Segundo o professor do UniCuritiba - que é mestre em Alimentação e Nutrição - o ideal é consumir de 15 a 30g por dia, com preferência às opções que tenham 65% de cacau e massa de cacau como primeiro item da lista de ingredientes. “Isso equivale a uma barra pequena ou quatro quadradinhos do alimento. Assim, é possível saciar a vontade de comer chocolate sem fazer mal à saúde”, complementa o professor. E para quem está em dúvida sobre consumir ou não um chocolate no próximo fim de semana, vale conferir alguns benefícios citados pelo professor: ● O chocolate proporciona uma grande sensação de bem-estar ● O consumo moderado de chocolate melhora o fluxo arterial ● Seu alto poder hidratante torna-o queridinho também no setor estético ● Contribui para a saúde cerebral, reduzindo danos de acidente vascular cerebral ● Reduz o estresse e alivia dores Sobre o UniCuritiba Com mais de 70 anos de tradição e excelência, o UniCuritiba é uma instituição de referência para os paranaenses e reconhecido pelo MEC como uma das melhores instituições de ensino superior de Curitiba (PR). Destaca-se por ter um dos melhores cursos de Direito do país, com selo de qualidade OAB Recomenda em todas as suas edições, além de ser referência na área de Relações Internacionais. Integrante do maior e mais inovador ecossistema de qualidade do Brasil, o Ecossistema Ânima, o UniCuritiba conta com mais de 40 opções de cursos de graduação em todas as áreas do conhecimento, além de cursos de pós-graduação, mestrado e doutorado. Possui uma estrutura completa e diferenciada, com mais de 60 laboratórios e professores mestres e doutores com vivência prática e longa experiência profissional. O UniCuritiba tem seu ensino focado na conexão com o mundo do trabalho e com as práticas mais atuais das profissões, estimulando o networking e as vivências multidisciplinares.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
GDF