Lula sanciona com vetos projeto que altera regras de registro de agrotóxicos

27ª edição da Festa do Morango de Brazlândia / DF. Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília
Morangos da 27ª edição da Festa do Morango de Brazlândia / DF. Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília


Nova lei prevê prazos para governo concluir análise de registro de agrotóxicos


Por Câmara notícias

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, sancionou com 14 vetos o projeto de lei (PL 6299/02) que trata do controle, da inspeção e da fiscalização de agrotóxicos no Brasil. O texto foi aprovado pela Câmara dos Deputados em 2022 e, neste ano, pelo Senado Federal.

De acordo com o Planalto, a decisão de vetar parte da proposta foi movida "pelo propósito de garantir a adequada integração entre as necessidades produtivas, a tutela da saúde e o equilíbrio ambiental".

Os vetos ainda serão analisados pelo Congresso Nacional, em sessão conjunta de Câmara e Senado a ser marcada. Para derrubar um veto presidencial, são necessários, no mínimo, os votos de 257 deputados e de 41 senadores (computados separadamente).

Prazos

Entre outros pontos, a nova lei (14.785/23) estabelece prazos para o governo concluir a análise dos pedidos de registros de agrotóxicos. Para produtos novos, são exigidos 24 meses, mas os destinados à pesquisa e experimentação poderão ser beneficiados com a emissão de um registro especial temporário, devendo o exame do pedido ser concluído em 30 dias.

O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo. Entre 2019 e 2022, foram liberados 2.181 novos registros, o que corresponde a uma média de 545 por ano. Em 2023, o País aprovou 505 novos registros de pesticidas, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Vetos

Um dos vetos de Lula foi relacionado ao dispositivo que retirava do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) atribuições relativas à fiscalização do uso dos agrotóxicos, repassando a atribuição exclusivamente ao Ministério da Agricultura.

Na justificativa para o veto, o Planalto argumenta que "a medida evita a transferência da reanálise toxicológica (por riscos à saúde) e ecotoxicológica (por riscos ambientais) para um único órgão, garantindo a manutenção do modelo tripartite, diretamente associado aos direitos à vida, à saúde e ao meio ambiente ecologicamente equilibrado previstos na Constituição Federal".

Outros vetos seguiram o mesmo caminho, uma vez que, na avaliação da Presidência da República, representavam "a extinção do atual modelo regulatório tripartite (saúde, meio ambiente e agricultura) de registro e controle de agrotóxicos, adotado no Brasil desde 1989".

Desinformação

O Planalto vetou também um trecho do artigo 41, sob a justificativa de que "afetaria o direito à informação dos consumidores quanto à vedação de reaproveitamento de embalagens de agrotóxicos". Além disso, complementa, o dispositivo evitaria a associação, na embalagem, entre o produto e o seu fabricante.

"Com isso, o veto evita que haja risco maior de desinformação quanto aos danos causados por eventual reaproveitamento de embalagens de agrotóxicos, em integral observância dos princípios da precaução e da vedação ao retrocesso socioambiental", informou o Planalto.

Foi também vetado o artigo que cria uma taxa cujo "fato gerador é a efetiva prestação de serviços de avaliação e registro de agrotóxicos". "O dispositivo não previu a base de cálculo, requisito essencial para a validade das normas que instituem tributos.", justificou a Presidência da República.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
GDF