Como será 2024?

 

Gino Paulucci Jr.*

Em termos práticos, 2024 será o que conseguirmos fazer dele. O que for possível dentro das atuais condições em que nos encontramos e apoiando em todas as frentes o setor de máquinas e equipamentos e a indústria de transformação.

Para o ano de 2024, em razão do desempenho mais fraco da atividade econômica - as expectativas são de um crescimento do PIB inferior ao observado neste ano de 2023, cerca de 1,5% a menos. Esperamos, no cenário mais otimista, um pequeno crescimento nas vendas de máquinas e equipamentos, ao redor de 3% e no cenário base estabilidade na receita líquida de vendas. As taxas de juros em queda, mas ainda em níveis elevados, deverão continuar comprometendo os investimentos em máquinas e equipamentos. O cenário otimista considera a hipótese de melhoria nos investimentos públicos em razão das eleições municipais e andamento mais célere dos projetos relacionados aos programas Minha Casa Minha Vida e PAC.

Em 2023, no entanto, em que pesem todos os esforços para apoio e fomento à neoindustrialização da indústria brasileira, o setor de máquinas e equipamentos deverá encerrar o ano com faturamento de R$ 290 bilhões, uma queda de 9% em relação ao ano de 2022 que já havia registrado queda de 5,9%.

Estudos indicam que o desempenho mais fraco deste ano esteve relacionado à piora das vendas no mercado interno. As receitas líquidas de vendas direcionadas para o mercado local deverão encolher 15% enquanto as receitas oriundas de exportação, deverão crescer 15% em dólares ou 8% em reais.

E devemos ressaltar que não foi só a aquisição de máquinas produzidas localmente que teve o volume de aquisição reduzido em 2023, os dados de consumo aparente, soma do resultado de produção direcionada ao mercado local com as importações de máquinas e equipamentos realizadas no período, deverão encolher 10% em 2023. Mas, nas importações,  a queda deverá ser  de 2,7% enquanto a produção para o mercado local, deve cair 15%. Por essa razão, no ano a produção local deverá perder cerca de 3,5 pontos percentuais  do market share nacional.

No entanto, vamos insistir em 2024 no esclarecimento ao governo da necessidade de redução do Custo Brasil, na necessidade de depreciação acelerada; na alteração na lei que instituiu a TLP; linhas de crédito adequada ao setor, redução da taxa de juros; inviabilização da Abertura comercial de produtos siderúrgicos; e na reforma tributária, cuja aprovação promoverá redução importante da cumulatividade, tornando o processo mais transparente, menos oneroso, beneficiando a competitividade das empresas brasileiras nacionais frente aos concorrentes internacionais, acelerando o crescimento do País. Estudos de impacto divulgados indicam aumento do PIB potencial do Brasil de 20% em 15 anos em razão, principalmente, do aumento da produtividade e dos investimentos ao longo do período.

Vamos acreditar que 2024 trará o crescimento resultado de todo esse trabalho da ABIMAQ em benefício do setor.

 

*Gino Paulucci Jr é engenheiro mecânico, empresário e presidente do Conselho de Administração da ABIMAQ

 

 

 


Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
GDF