Ministério da Saúde esclarece informações falsas sobre compra de testes da Fiocruz


Conteúdo falso veiculado por sites e nas redes sociais se refere a um Acordo de Cooperação Técnica firmado em 2022 pela gestão passada


É falsa a notícia que o Ministério da Saúde adquiriu testes para detecção da Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com valor superfaturado. O conteúdo falso veiculado por sites e nas redes sociais se refere a um Acordo de Cooperação Técnica, firmado em 2022 pela gestão passada do Ministério da Saúde. A cooperação envolvia o fornecimento de testes e também a capacitação de profissionais, operação logística e colaboração técnica para o enfrentamento da pandemia. Não houve prejuízo aos cofres públicos.

Diante do exposto, o Ministério da Saúde esclarece mais detalhes:
  • O fornecimento de testes faz parte de um Acordo de Cooperação Técnica firmado entre a Fiocruz e o Ministério da Saúde em 2022 pela gestão passada;
  • É importante ressaltar que esse acordo não previa apenas o fornecimento de testes, e sim uma cooperação ampla que envolvia: assessoria técnico-científica, serviço de atendimento ao consumidor, capacitação de profissionais de saúde, operações logísticas, desenvolvimento tecnológico e da capacidade de resposta na vigilância em saúde para a Covid-19;
  • Portanto, é incorreto analisar apenas o preço estipulado por teste de forma isolada. Também é falso afirmar que houve prejuízo aos cofres públicos;
  • Em 2022, foram fornecidos cerca de 14 milhões de testes pela Fiocruz ao Ministério da Saúde;
  • Em março de 2023, por decisão liminar do Tribunal de Contas da União (TCU), o Ministério da Saúde suspendeu o fornecimento de testes pelo Acordo de Cooperação. Desde então, a Pasta e a Fiocruz seguem colaborando e dialogando com o TCU para esclarecer os pontos necessários;
  • Sobre o pregão eletrônico para fornecimento de testes, este processo foi suspenso em 2022 pela gestão passada do Ministério da Saúde. Os concorrentes não atenderam às exigências técnicas previstas no processo e foram desclassificados, inviabilizando a realização do processo;
  • Portanto, é incorreto afirmar que o processo licitatório foi suspenso para que a aquisição de testes pela Fiocruz pudesse ser realizada;
  • Por fim, o Ministério da Saúde reforça a importância de instituições científicas brasileiras, como a Fiocruz, para o desenvolvimento e autonomia do país na produção de insumos garantindo acesso à saúde para a população brasileira.
BNDES investe pesado no desenvolvimento de vacina nacional contra covid-19

Recentemente, o BNDES anunciou investimento de R$ 30 milhões na Fiocruz para conclusão do desenvolvimento e testes clínicos de nova vacina nacional contra covid-19 que utiliza tecnologia de RNA mensageiro. Além do aporte do BNDES, outros R$ 21 milhões foram captados junto a parceiros privados. A vacina levará cerca de 3 anos para estar disponível no SUS, mas caso tenha sucesso nos testes clínicos, validará tecnologia nacional de RNAm para desenvolvimento de outras vacinas.

Com informações do Ministério da Saúde

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
GDF